Algo que todos nós precisamos

This post is also available in: English (Inglês) Español (Espanhol) Français (Francês)

Em 2008, algo aconteceu a Leo Morales, que a maioria de nós não pode nem imaginar: sua perna foi amputada para impedir um câncer agressivo. Mas o que seria um revés vitalício para alguns, para ele foi o oposto. Morales já era um mergulhador apaixonado e não só voltou a mergulhar, mas também se tornou instrutor e mergulhador técnico. Em seguida, ele estabeleceu dois recordes (profundidade e distância) para mergulhadores com deficiências. Então ele. . . Bem, ele se tornou uma pessoa impressionante e talentosa por qualquer padrão: um PADI AmbassaDiver, apresentador do Tedx, autor e mentor, inspirando centenas, talvez milhares de pessoas. Surpreendentemente, Morales diz que se ele pudesse mudar o passado e manter a perna, ele não mudaria. “O mergulho me devolveu a vida”, diz ele. Na verdade, ele recuperou sua vida usando o mergulho, se esforçando para fazer mais e agora dá de volta ao mergulho mais do que muitos esperariam. Incrível

É uma história comovente, mas é apenas uma amostra de que o mergulho, além de sua força para salvar os oceanos, cura as pessoas e há mais histórias do que você pode contar. Paraplégico aos 12 anos de mielite transvental, depois de descobrir a liberdade e a terapia oferecida pelo equipamento de mergulho, o PADI Advanced Open Water Diver Cody Unser agora usa o equipamento de mergulho para ajudar as pessoas que vivem com paralisia e participa em pesquisas relacionadas, através da sua First Step Foundation.

Ele perdeu as pernas em uma zona de combate, PADI Divemaster Chris Middleton, Reino Unido. Ele também encontrou o poder curativo do mergulho quando começou a mergulhar com Deptherapy, e agora trabalha com a Deptherapy para envolver mais pessoas.

E não é apenas a cura física. Depois de servir em combate e ser dispensado no Iraque em 2014, o fuzileiro naval Juan Gonzales dos Estados Unidos havia sido diagnosticado com um transtorno de estresse pós-traumático (TEPT). Ele evitou ter conexões saudáveis com as pessoas, especialmente sua família, mas descobriu o mergulho através da WAVES (Wounded American Veterans Experience Scuba), Ele usa o poder de cura do mergulho para ajudar os veteranos com ferimentos físicos ou psicológicos. Gonzales diz que a paz que ele experimenta ao mergulhar tem sido uma grande ajuda em sua batalha contra o transtorno de estresse pós-traumático.

O PADI Course Director, Thomas Koch, não pode ouvir, mas com o mergulho, sua “deficiência” se torna uma vantagem. Por quê? Quando sua filha Claire obteve sua certificação Junior Open Water Scuba Diver com a Course Director PADI, Cristina Zenato, eles falaram fluentemente e na mesma maneira de sempre: embaixo d’água, usando a linguagem de sinais americanas.

Existem centenas de histórias, realmente milagrosas, sobre como, através do mergulho, as pessoas ajudaram, curaram e consolaram. Há literalmente centenas de profissionais de mergulho e mergulhadores que atendem mergulhadores com deficiências, e você dá honra e importância à comunidade de mergulho como uma Força do Bem.

Mas a verdade é que o poder de cura do mergulho vai além disso, porque às vezes todos nós precisamos de uma cura. A dinâmica da vida pode muitas vezes ser difícil. Há momentos em que parece que o peso do mundo é jogado nas suas costas. Talvez você não consiga dormir e não se divirta muito. Talvez as pessoas que mais importam para você não consigam enxergar o melhor que há em você, mas mesmo assim elas se importam com você. E você vê isso nos olhos delas.

Então você vai mergulhar. . . E algo maravilhoso acontece. O mundo da preocupação permanece na superfície quando você desce para o mundo subaquático. Sua mente fica clara. O que é realmente importante pode finalmente acontecer. Seu amigo pergunta “ok?” E pela primeira vez em muito tempo, você realmente quer dizer isso quando responde: “Tudo bem!” Talvez você precise de um par de “doses” (mergulhos), mas você se torna novamente você. Isso se reflete nos rostos daqueles que são importantes para você.

Meu ponto é esse. Compartilhamos mergulho porque é uma experiência maravilhosa pela qual somos apaixonados, mas também devemos compartilhá-lo porque é uma experiência de restauração e recuperação. Alguns de nós precisam mais do que outros, mas isso é algo que todos nós precisamos.

Desejo-lhe um feliz ano novo.

Dr. Drew Richardson
Presidente e CEO da PADI

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.